sexta-feira , 24 de novembro de 2017
Últimos Posts
Capa / Principal / Dicas / Um segundo, que faz diferença em 2015
Um segundo, que faz diferença em 2015

Um segundo, que faz diferença em 2015

Um segundo, que faz diferença em 2015

Um segundo faz diferença para você? Muitos diriam que não e que seria apenas o tempo de piscar os olhos. Segundo Techie News, há possibilidade de que os computadores e seus serviços de internet apresentem problemas na virada do dia 30 de junho de 2015 para o dia 1º de julho.

O Serviço Internacional da Rotação Terrestre e Serviço de Referência (IERS), informou que a velocidade de rotação da terra esta desacelerando a uma taxa de cerca de dois milésimos de segundo por dia e para compensar a desaceleração na rotação da Terra vai adicionar um segundo extra.

A medida pode prejudicar sistemas e causar problemas em diversos serviços de internet no mundo todo. Quando o mesmo segundo é mostrado duas vezes seguidas os computadores e servidores falham. Se for solicitada a realização de uma operação em um momento, em que um segundo é repetido, o computador fica sem saber o que fazer, resultando em um crash.

Segundo a G1, na prática os relógios terão que ler um segundo adicional, o 23h59m60s, o que dará ao dia 30 de junho um total de 86.401 segundos. Pode parecer pouco, mas em 2012, última vez em que uma adição foi feita, o mundo da internet sofreu com uma onda de instabilidade. Os problemas ocorreram com Mozilla, Reddit, Foursquare, Yelp, LinkedIn, o sistema operacional Linux e aplicações rodando em Java.

A falha pode ocorrer porque muitos sistemas de computação, incluindo computadores, laptops, smartphones e afins, usam o Network Time Protocol (NTP), que registra as horas e está alinhado a relógios atômicos. A maioria, porém, não está preparada para lidar com um segundo extra.

O mesmo problema ocorreu com o Google em 2005, quando um segundo extra foi adicionado. Os sistemas da companhia não estavam preparados. Alguns deles “se recusaram” a trabalhar enquanto possuíam uma medição de tempo “errada”. O problema foi identificado em 2008 por engenheiros, que começaram a trabalhar em uma forma de driblá-lo. A solução encontrada (“leap smear”) foi implementar uma modificação interna no NTP. Milissegundos são acrescentados ao tempo durante todo o dia que terá um segundo a mais. Assim, quando chega a hora, o segundo já foi acrescentado naturalmente.

A adição de segundos é tema para discussões internacionais. Os Estados Unidos querem acabar com os acréscimos. Argumentam que a correção atrapalha sistemas de navegação e de comunicação, além de poder atrapalhar transações financeiras que necessitam de um registro preciso do tempo. Já o Reino Unido é defensor dos segundos extra. O argumento é que a não inclusão poderia criar um distúrbio no conceito de tempo, e isso significaria “dissolver” o sistema de fusos horário adotados a partir do Meridiano de Greenwich.

Um segundo, que faz diferença em 2015 Um segundo faz diferença para você? Muitos diriam que não e que seria apenas o tempo de piscar os olhos. Segundo Techie News, há possibilidade de que os computadores e seus serviços de internet apresentem problemas na virada do dia 30 de junho de 2015 para o dia 1º de julho. O Serviço Internacional da Rotação Terrestre e Serviço de Referência (IERS), informou que a velocidade de rotação da terra esta desacelerando a uma taxa de cerca de dois milésimos de segundo por dia e para compensar a desaceleração na rotação da…

Review Overview

Score

Avalie

User Rating: Be the first one !
96

Sobre Alan Oliveira

Alan Oliveira
Bacharel em Sistemas de Informação, com Pós Graduação em Segurança de Redes e Sistemas. Trabalho como Analista de Suporte há 8 anos. Certificação Itil, LPIC-3, ISO/IEC 27002, ISO/IEC 20000, CompTIA Security+ e RHCE (Red Hat Certified Engineer).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>